Redes Sociais: 9 Mitos Para Esquecer e Melhorar a Comunicação Da Sua Empresa!

RedesSociais

Redes Sociais: hoje em dia toda a gente fala sobre elas e do quão é importante para uma empresa estar presente nelas. Contudo, com a urgência de estar presente no Facebook, no Linkedin, no Twitter muitas vezes subestima-se a forma, não se planeiam conteúdos nem estratégias de comunicação e sobrevalorizam-se mitos sem sentido. É senso comum que a presença nas redes sociais é essencial numa estratégia de marketing digital mas há um conjunto de ideias feitas que importa esclarecer porque pouco ou nada contam nesta equação. Vamos desmistificar tudo para que potencie ao máximo a presença da sua empresa nas redes sociais.

 

Mito #1: O que realmente interessa é o número de seguidores

Esta é uma ideia generalizada, o que importa é o número de gostos ou a quantidade de pessoas que seguem determinada página, no Facebook, no Twitter, no Linkedin. Esta é a métrica mais importante e portanto sinónimo de sucesso. Não é que não seja importante ou de valorizar mas não tem o peso que se lhe quer dar. É um fato que o número de gostos ou de seguidores que uma empresa possui é uma prova de que é socialmente bem aceite e de que tem bom feedback mas não quer dizer necessariamente que todos os que estão associados às páginas das redes sociais dessa empresa são potenciais consumidores nem que vestem a camisola da marca. É preciso perceber o valor dos fãs que se conquistam. O objetivo não deve ser conquistar sem limites mas conquistar para reinar, conquistar as personas do negócio da nossa empresa, conquistar potenciais clientes, conquistar os já ganhos consumidores, para que efetivamente os gostos e os seguidores sejam mais do que meros números indicativos e tenham efetiva repercussão em vendas.

 

Mito #2: Quanto mais hashtags melhor

O uso de hashtags (#) na comunicação nas redes sociais é importante. Funciona como isco de atração para a audiência certa e também para atingir pessoas que ainda não conhecem a página da sua empresa. Permite portanto alargar a abrangência das publicações. Contudo, hashtags devem ser usados com moderação. Nem 8 nem 80. Publicações com mais de 10 hashtags têm uma péssima aparência e têm um efeito contrário para as pessoas, que facilmente confundem com spam. A escolha das palavras também convém ser acertada, estar relacionada com o conteúdo da publicação.

 

Mito #3: Os meus clientes não estão nas redes sociais

Pois sim, só os clientes das outras empresas não é? Ainda há quem acredite que os seus clientes não estão nas redes sociais mas isso é mesmo um verdadeiro mito. Independentemente de serem negócios B2B ou B2C, as empresas são feitas por pessoas e as pessoas estão nas redes sociais. O mundo está ligado, está presente nas redes sociais e os portugueses não são exceção. É certo que ainda há quem não esteja presente nas redes sociais mas cada vez mais esse número está a diminuir. As pessoas estão ligadas, querem estar conectadas e quem não está, aos poucos faz por estar. Portanto aqui não há margem para ilusões. Os seus clientes estão, os seus potenciais clientes também e a sua empresa também deve estar.

 

Mito #4: É preciso estar em todas as redes sociais

Tudo ou nada. De repente passamos da fase em que as empresas não estavam presentes nas redes sociais para o exagero de querer estar em todas. É preciso perceber cada uma das redes sociais para definir se, no contexto de uma estratégia de marketing digital de uma determinada empresa, faz ou não sentido estar presente nelas. Cada rede social tem determinadas características e objetivos, públicos-alvo diferenciados com faixas etárias médias diferentes e nem sempre vale a pena estar presente em todas. A escolha das redes sociais a estar presente depende muito do seu produto/serviço, do público a atingir bem como da forma como pretende comunicar. Para além disso, é preciso perceber se existe capacidade para alimentar corretamente todas essas páginas, se há tempo e equipa para as gerir. Estar presente só por estar, é a mesma coisa que não estar. Vale zero. Para publicar sem regularidade, sem coerência e sem estratégia de conteúdos, mais vale estar quieto. Sinceramente.

 

Mito #5: As mesmas publicações em todas as redes sociais e siga!

Faça isso e veja por si como ficará penalizado. A forma como uma empresa comunica no Facebook não deve ser a mesma no Twitter ou no Linkedin, por exemplo. São redes sociais diferentes. Desde logo, há conteúdos que não se adequam em todas as redes. O Linkedin é uma rede social de trabalho, há publicações de lazer que não fazem sentido num espaço assim mas que no Facebook são um sucesso, por exemplo. Depois existe a forma como se comunica. Que também não pode ser igual. O copy/paste não funciona. Existe desde logo uma limitação de caracteres, quer no Twitter, quer no Linkedin, mas nem estamos a referir-nos a esses aspetos técnicos. É uma questão de linguagem, não é só republicar sem adequação do discurso. Concluindo: há conteúdos que podem ser publicados em diferentes redes sociais, desde que sejam ajustados às especificidades de cada uma delas e há outros que só fazem sentido em algumas redes sociais e noutras não. Simples. É tudo uma questão de pensar para quem se está a comunicar e onde.

 

Mito #6: Só vale a pena publicar quando se investe para impulsionar alcance

É ponto assente que quando se investe para que uma publicação seja impulsionada – ou seja, quando se paga para que uma publicação seja exibida a mais fãs – alcança-se um maior número de pessoas. Agora é uma verdadeira tolice pensar que para ter resultados nas publicações temos que investir sempre e que só assim funciona. É preciso desde logo não misturar alhos com bugalhos, uma coisa é o alcance pago, outra é o orgânico e numa estratégia de redes sociais devem ser trabalhadas e valorizadas em conjunto.

Se existe uma oferta subjacente a uma publicação que permite gerar leads ou até mesmo uma venda direta, faz sentido investir e ter uma publicação paga e bem segmentada garantindo bons resultados e ROI para a empresa. Agora se a publicação for apenas um fait-divers ou um post no blog, sem oferta, o custo para a impulsionar não será um investimento, será um gasto. Desnecessário.

Sendo assim, o que é importante que perceba é que é possível o melhor dos dois mundos. Sim, vale a pena impulsionar publicações, proporcionando-lhes maior alcance, desde que sirvam para gerar retorno para a sua empresa mas não ignore o alcance orgânico. Publicações sem investimento são importantes para nutrir o relacionamento entre a sua empresa e o seu público-alvo, bem como para aumentar a notoriedade da marca, podendo ter bom alcance e recetividade.

 

Mito #7: Quanto mais publicações, melhor

Esta é uma ideia concebida que existe, quanto mais conteúdo partilhado, melhor já que mais pessoas vão ser alcançadas. Errado. Vamos analisar à lupa as diferentes redes sociais para lhe explicar que essa é uma lógica da batata. Em redes como o Twitter e o Instagram, as actualizações são feitas em função do que é publicado no momento e dos posts mais recentes. Não existe propriamente uma restrição no que aparece publicado mas saiba que excesso de conteúdo pode incomodar quem acompanha a sua empresa. Lá porque gostam da sua marca não quer dizer que queiram saber a toda a hora o que lhes quer dizer, sobretudo se não tiver interesse para eles. O que é demais é erro e chateia. No caso do Facebook, existe uma seleção por posts relevantes. Não adianta publicar com muita frequência se os posts aparecem no feed de notícias de acordo com a preferência dos utilizadores. Quanto mais estes gostarem dos posts da sua página, maiores serão as probabilidades de receberem as suas publicações. De outra forma, não é possível. Publicar como se não existisse amanhã não influencia para que apareça e seja visto. Assim, a lógica não é quantidade mas qualidade. Aposte nisso, pense bem sobre o que publica, prepare bem o seu conteúdo, empenhe-se na comunicação.

 

Mito #8: Excluir os comentários negativos é a chave para uma imagem limpa

Ninguém gosta de ouvir críticas, muito menos publicamente mas saiba que varrer para debaixo do tapete para que ninguém se aperceba não é a melhor estratégia. O ideal é trabalhar e fazer sempre de tudo para que não receba comentários negativos. No entanto, todos sabemos que é muito difícil, que só não erra quem não faz e incidentes acontecem. E quando acontecem há insatisfação e é preciso saber lidar com ela. Aliás, podem até surgir comentários negativos sem fundamento ou causa provável. Só porque sim. E é importante que os saiba gerir. Apagar não é solução e pode mesmo causar danos muito maiores sendo pior a emenda do que o soneto. Não faltam exemplos de empresas que optaram por essa péssima prática e acabaram por concluir que foi um grande tiro no pé. Apagar um comentário negativo pode ser mal aceite por quem o escreveu, que comentará uma e outra vez e até pode postar o printscreen do comentário apagado.

Se quer construir uma boa imagem e reputação da sua empresa nas redes sociais aprenda a lidar com o feedback negativo. Não o ignore e, principalmente, não o apague para esconder e fingir que nada foi.

 

Mito #9: Não dá para gerar leads com as redes sociais

Na internet os canais de comunicação estão todos ligados e se este mito faz sentido para si, esqueça-o já. Sim, é possível gerar leads através de redes sociais, quer em campanhas/anúncios, quer em publicações orgânicas. Facebook, Linkedin, Twitter, Google +, Pinterest e Instagram são apenas alguns dos espaços que a sua empresa pode rentabilizar para o fazer. 

RedesSociais_3