8 Erros que as marcas cometem no Instagram

8 Erros que as marcas cometem no Instagram

A partir do seu lançamento em 2010, o Instagram deu às marcas a oportunidade de interagirem com a sua audiência e contarem as suas histórias através do poder da imagem. A aplicação, agora detida pelo Facebook, foi uma das redes sociais com maior e mais rápido crescimento em 2014, e tem agora mais de 300 milhões de contas criadas.

 Além deste impressionante crescimento, a plataforma tem altas taxas de interacção com os seus utilizadores. Por dia, metade do total de utilizadores acede à aplicação e passa uma média de 21 minutos na aplicação. Ora, obviamente, as grandes marcas rapidamente se aperceberam do potencial do Instagram. O estudo da Simply Measured no final de 2014 indicava que 86% das 100 mais importantes marcas do mundo tinham já uma conta no Instagram, notando um crescimento de cerca de 15% face ao ano anterior. O Instagram está a tornar-se, rapidamente, a rede social número 1 para marcas que procuram altas taxas de interacção com a sua audiência.

Caso esteja a pensar aderir, é novo na plataforma ou precisa de algumas dicas e as melhores práticas para obter os melhores resultados do Instagram, eu recolhi 8 dos erros mais comuns das marcas na plataforma, comparados, em cada um deles, a um exemplo de como fazer bem. Assim fica já um passo à frente. Ou 8, no caso!

 

Erro #1: Falta de uma estratégia guiada por objectivos

O Instagram oferece às marcas meios para contar as suas histórias através de fotografias e clips de vídeo. A plataforma é ideal para apresentar produtos a serem usados em situações da vida real, para mostrar o progresso de alguma coisa através de fotos que notam a passagem do tempo (como a construção de um veículo, a montagem de um escritório ou uma receita desde os ingredientes ao prato final), ou até para responder a perguntas da sua audiência através de pequenos clips de vídeo. As possibilidades são quase ilimitadas no Instagram, mas como qualquer outra forma de marketing digital, é necessário definir objectivos na fase inicial e criar uma estratégia para o ajudar a alcançá-los.

Quer esteja no Instagram para fazer crescer o conhecimento da sua marca, mostrar uma nova linha de produtos ou tornar a sua marca mais humana, cada peça de conteúdo que publicar deve acrescentar valor e ajudá-lo a cumprir esses objectivos.

Exemplo: Quest Nutrition

 

Erro #2: Falta de foco na qualidade

Tão importante como uma estratégia orientada por objectivos, a qualidade dos seus conteúdos pode muito bem marcar a diferença entre uma presença no Instagram bem-sucedida, e outra facilmente caída no esquecimento.

Tire um minuto para pensar como funciona o Instagram. Os utilizadores normalmente percorrem uma única coluna de fotografias, visualizando rapidamente as imagens e lendo as legendas na diagonal, abrandando ou parando apenas quando algo lhes chama verdadeiramente a atenção. Outras vezes exploram conteúdos através das hashtags, percorrendo um layout de pesquisa com 3 colunas até que uma foto ou um vídeo se destaque. Quanto mais foco colocar na qualidade dos seus conteúdos no Instagram, mais possibilidades terá de fazer os utilizadores abrandar, parar e interagir com a sua conta e conteúdos.

Ainda relativamente ao funcionamento do Instagram, comparativamente a outras redes sociais, as publicações no Instagram tendem a conseguir uma vida mais longa. Isto significa uma interacção continuada durante dias, e, por vezes semanas, após uma determinada publicação. No estudo mencionado na introdução deste post, a Simply Measured percebeu que alguns posts de grandes marcas demoram mais de 19 horas para atingir 50% do seu total de comentários, e outros 10% de comentários só chegam após 19 dias.

Exemplo: Taco Bell

 

Erro #3: Não publicam com regularidade

De acordo com um estudo feito pela Union Metrics, as marcas internacionais publicam no Instagram uma média de 1,5 vezes por dia. No mesmo estudo, algumas marcas que publicam de hora a hora durante o dia viram as suas taxas de interacção descerem para valores abaixo da média em quase todos os seus conteúdos.

Como parte da sua estratégia no Instagram, a frequência das publicações deve ser adereçada e seguida de perto. Tente encontrar um meio-termo entre a quantidade e a qualidade, garantindo que uma não é sacrificada pela outra. Se perceber que consegue publicar conteúdo de qualidade 15 vezes por dia, é importante que o consiga fazer por bastantes dias. Até porque o mesmo estudo da Union Metrics, identificou alguma perda de seguidores por parte das marcas que não foram consistentes no seu calendário de publicações.

Exemplo: MAC Cosmetics

 

Erro #4: Mau uso das hashtags

É perfeitamente possível usar mal as hashtags no Instagram, quer esteja a usar muito poucas, algumas irrelevantes ou mesmo nenhumas.

Tal como noutras redes sociais, as hashtags desempenham um papel importante no processo de pesquisa no Instagram. Marcas menos conhecidas ou marcas com menos seguidores podem utilizar hashtags populares e relevantes a seu favor para aumentar a exposição dos seus conteúdos.

Para além da pesquisa, as hashtags podem ajudar a construir a identificação da marca. Considere a criação e promoção de “hashtags de marca” como parte de uma estratégia mais consistente.

Se falarmos de um número óptimo de hashtags por publicação, um infográfico da QuickSprout assinala que publicações com 11 ou mais hashtags recebem perto de 80% de interacção, comparativamente aos 20% obtidos com 10 e 41% quando apenas duas são usadas (o Instagram limita o número hashtags por publicação a 30).

No que à relevância diz respeito, não abuse das hashtags numa tentativa de aumentar a exposição. Esse é um caminho que o fará perder credibilidade numa plataforma que foi construída sobre bases de autenticidade e qualidade.

Exemplo: GoPro

 

Erro #5: Compra de seguidores/interacção

Goste-se ou não, a compra e venda de seguidores no Instagram é um negócio real. Se não quer dispensar o seu tempo a construir a sua base de seguidores organicamente, o Instagram é, provavelmente, uma perda de tempo para si. E se precisar de mais uma razão para não comprar seguidores, a plataforma está em cima destas práticas e a eliminar massivamente contas que o fazem.

No geral, as taxas de interacção no Instagram estão em crescimento. A forma mais fácil de se incluir neste crescimento (tal como mencionei anteriormente) é através de conteúdo de qualidade e publicações regulares. De acordo com o estudo da Simply Measured, o top 100 de marcas recebeu nos últimos 4 meses de 2014 um total de mais de 130 milhões de interacções. É muita interacção real, não?

Exemplo: Nike

 

Erro #6: Falhas na interacção com os seus seguidores

Como dito antes, os utilizadores do Instagram estão ligados à aplicação e estão a consumir conteúdos a taxas impressionantes. A plataforma continua a dar às marcas grandes oportunidades de crescimento. No entanto, seguidores interessados hoje, não significa seguidores interessados amanhã. Como interage e influencia os seus seguidores pode significar a diferença entre aumentar o seu alcance ou desaparecer nesta rede social.

Uma das mais simples e eficazes formas de criar uma presença no Instagram bem-sucedida pode ser encontrada dentro da sua audiência. O Instagram é a plataforma perfeita para promover conteúdos automaticamente gerados pelos utilizadores, provavelmente mais do que em qualquer outra rede social. Quer crie um concurso de fotografias ou encoraje o uso de uma “hashtag de marca”, o Instagram é a plataforma perfeita para construir relações reais com pessoas reais.

Dê aos seus seguidores a oportunidade de disseminar a sua mensagem, partilhar o seu conteúdo, usar as suas hashtags e torná-los embaixadores da sua marca.

Exemplo: BarkBox

 

Erro #7: Conteúdos demasiado promocionais

Pense como indivíduo na sua vida normal fora do trabalho: há alguma coisa mais chata que ver marcas constantemente a publicar conteúdos promocionais nas redes sociais? Compre isto, saldos naquilo, grande poupança, portes grátis!

Publicações demasiado promocionais trazem aquela sensação egoísta, preguiçosa e desagradável por parte das marcas. Claro que há um tempo e espaço para os conteúdos promocionais, mas as marcas que têm sucesso no Instagram são aquelas que publicam mensagens poderosas e que interessam aos utilizadores, as que mostram a sua cultura partilhando fotos e vídeos de qualidade, interagindo com a sua audiência.

Além disso, já sabe que o Instagram é detido pelo Facebook. Por isso, tal como em Novembro de 2014 o Facebook fez um update ao seu algoritmo em que anunciou uma significativa descida no alcance orgânico de conteúdos promocionais, o mesmo se verifica no Instagram.

Seja humano em vez de uma máquina promocional.

Exemplo: Ben & Jerry’s

 

Erro #8: Os produtos/serviços não são bons para o Instagram

Tenho tempo para gerir mais uma rede social? Vale sequer a pena aderir ao Instagram se o meu negócio / produtos / serviços são visualmente atractivos? Tenho os recursos adequados para criar fotos e vídeos de qualidade? Se questiona se o Instagram tem ou não um lugar na sua estratégia de marketing, não está sozinho.

De acordo com a pesquisa “Tendências das Redes Sociais 2015” da Rival IQ, 38% dos marketers afirmavam que o Instagram não era importante, com outros 20% a afirmar que tinha alguma importância. Como rede social de mais rápido crescimento este ano com uma das mais interessadas audiências, começa a ficar cada vez mais difícil ignorar o valor do Instagram.

Em menos de 5 anos, a rede cresceu para uns impressionantes 300 milhões de utilizadores que num dia partilham uma média de 70 milhões de fotografias enquanto gostam de 2.5 mil milhões de conteúdos.

O Instagram vale o investimento.

Exemplo: General Electric

Conheça o nosso e-book: 

O Futuro das Redes Sociais: Esqueça os Perfis e Foque-se nas Pessoas
EBOOK grátis

ivo-ferreira.jpg

AUTOR: Ivo Ferreira

Consultor e Copywriter da Link&Grow