10 Segredos para Elaborar uma Newsletter Eficaz

10 Segredos para Elaborar Uma Newsletter Eficaz

 

Para a maioria dos marketers, isto vai soar familiar. Estamos sentados numa reunião a tentar arranjar uma melhor solução para obter mais interacção com as nossas leads e clientes, vender mais produtos ou tentar estar sempre presente na mente da nossa audiência e alguém decide que há um método para resolver todos estes problemas de uma vez: uma newsletter por email!

De repente, já é o “voluntário” para esta tarefa e tem de garantir que os índices de abertura e cliques desses emails não fogem ao esperado. E mais: a primeira tem de sair amanhã.

Que tal?

Pela minha experiência, esta não é uma posição confortável para se estar. Apesar do email marketing ser uma das vertentes mais utilizadas do marketing, é uma das mais difíceis de fazer bem. É difícil porque inclui um mix de diferentes tipos de conteúdos sobre partes diferentes do seu negócio, incluindo lembretes de eventos, questionários, informação educacional sobre os seus produtos, serviços ou indústria, e promoções.

E porque não é um email para servir um só objectivo (por exemplo dar a conhecer um só produto, uma só resposta a um pedido de informações), as newsletters têm dificuldade para tentar que os seus receptores completem uma call-to-action.

… Mas isto não quer dizer que não as deve fazer. Se as fizer bem, poderá conseguir uma excelente interação com uma base sólida de subscritores e potencialmente torná-los clientes e difusores da sua marca. Não é o tipo de coisa que se deixe passar.

Aqui ficam 10 dicas para chegar a esse ponto:

 

1. Avaliação: Será que precisa de uma newsletter?

Eu sei que pode ser complicado rejeitar um projecto que o seu superior acaba de lhe atribuir, mas se uma newsletter não é o meio mais indicado para incluir na sua estratégia de marketing, não deve desperdiçar tempo a preparar uma.

Para perceber essa necessidade, terá de fazer alguma pesquisa. Na sua área de negócio, existem referências de boas newsletters que as pessoas gostem de subscrever? O que contêm? Com os recursos que estão ao seu dispor – orçamento, tempo e apoio interno – poderia fazê-lo com sucesso?

De seguida olhe novamente para os objectivos da sua empresa. Estão a tentar obter mais leads? Leads de melhor qualidade para se colocarem em contacto com o departamento de vendas? Fechar mais negócios? Reter mais clientes?

Se a sua área de negócio não estiver interessada em newsletters ou se os seus objectivos não estiverem alinhados com o que uma newsletter pode conseguir, o seu tempo pode e deve ser gasto em algo diferente como em conteúdos para o seu blog ou no desenvolvimento de um CRM eficiente.

Por isso, recolha alguns dados, crie um plano de acção e vá conversar com o seu superior sobre as suas conclusões. Mesmo que estejam em desacordo, não lhe poderá ser negado o reconhecimento de que se preparou conveniente com uma alternativa para o sucesso.

Ok, vamos concluir que percebeu que seria bom fazer uma newsletter. O que se segue?

 

2. Defina que tipo de newsletter quer enviar

Um dos maiores problemas deste meio é que, frequentemente, não têm qualquer foco sobre o que abordar porque falam basicamente de tudo acerca da empresa. Novidades sobre produtos surgem ao lado das notícias da empresa, posts do blog ao lado de um qualquer evento da indústria… é uma misturada. O email – quer seja uma newsletter ou não – precisa sempre de um fio condutor.

Uma forma de reduzir este formato aleatório de uma e-newsletter é construí-la por tópicos. Por isso, em vez de ser sempre sobre a empresa e demasiado abrangente, construa os conteúdos de cada uma debruçados sobre um determinado tópico.

 

3. Balance o conteúdo para que seja 90% educativo e 10% promocional

Existe a forte possibilidade dos subscritores das suas newsletters não quererem ler sobre os seus produtos sempre.

Exemplo: Eu gosto muito de novas tecnologias e, especialmente, gadgets. Assim sendo, optei por subscrever uma newsletter de uma empresa que disponibiliza este tipo de produtos, mas passaram a enviar emails todos os dias com as frases “aproveite a promoção”, “compre já”, “desconto imediato”… e quando vejo um email a surgir na caixa de entrada, dificilmente abro e vai directamente para a lixeira. Se me enviassem conteúdos educativos – talvez sobre as últimas novidades de uma feira internacional, tecnologias que estão em desenvolvimento e que irão mudar as nossas vidas – talvez prestasse mais atenção à empresa e, eventualmente, comprasse os seus produtos, ou pelo menos abriria os emails frequentemente.

Não seja esse tipo de empresa. Nas suas newsletters, abdique dos conteúdos promocionais (pelo menos na maioria das vezes) e foque-se no envio de conteúdos educativos, relevantes e actuais.

 

4. Crie expectativas na página de subscrição

Depois de definido o foco e tipo de conteúdos da sua newsletter, assegure-se que lhe faz jus na forma como a comunica na página de subscrição do seu website ou blog.

Seja específico e criativo. Diga aos seus potenciais subscritores exactamente o que obterão da sua e-newsletter, bem como quantas vezes devem esperar recebê-la.

Insira uma imagem de como será a newsletter, por exemplo. Como subscritor, não seria óptimo saber exactamente com o que podemos contar de cada vez que preenchemos algo deste tipo online?

 

5. Seja criativo nos assuntos dos emails

Mesmo que as pessoas subscrevam os seus emails, nada garante que os abram quando os recebem. Muitos marketers tentam aumentar o grau de familiaridade com os seus subscritores, mantendo a frase utilizada no campo do assunto do email igual a cada dia, semana ou mês em que o enviam.

Mas vamos esclarecer uma coisa, essas frases perdem força rapidamente. Porquê? Porque não há qualquer incentivo no assunto do email que faça alguém clicar para abrir assim que o recebe. Uma melhor solução seria tentar criar uma frase diferente, criativa, apelativa para cada newsletter que envie. Nunca se esqueça que essa frase deve estar alinhada com o conteúdo do email.

 

6. Defina a Call-To-Action mais importante

Ok, aquilo que faz de uma newsletter uma newsletter é a capacidade de conter diversos conteúdos com múltiplos botões que incitem ao clique pelo subscritor – as Calls-To-Action (CTAs). Mas isso não significa que deve deixar que cada uma tenha igual importância.

Em vez disso, defina uma CTA de destaque – uma que gostava mesmo que os seus subscritores prestassem atenção. As restantes devem estar mais disfarçadas de opção “já agora, se tiver tempo”. Quer seja um simples clique para ver um artigo completo do blog ou para reencaminhar o email para um amigo, deve fazer com que seja muito simples de perceber a que informação os seus subscritores devem prestar mais atenção.

 

7. Aposte num design e texto minimalista

Como já lhe disse antes, uma newsletter, pela sua natureza, pode parecer uma misturada de temas. O truque para inverter esta aparência baseia-se em duas coisas: texto conciso e espaço em branco suficiente no design.

O texto conciso é um factor chave porque não vai querer, com certeza, que os seus subscritores fiquem a ler o seu email o dia todo. De certeza que terá como objectivo encaminhá-los para outro local (o seu website ou blog) para poder obter a totalidade do conteúdo que sugere. Um texto conciso tem como objectivo dar uma amostra do seu conteúdo aos seus subscritores – apenas o suficiente para que queiram ver mais.

Espaço livre em branco é outro factor chave nas newsletters porque ajuda a aliviar, visualmente, aquele aspecto cheio e confuso, e numa plataforma móvel torna mais fácil o clique num link.

 

8. Garanta que as suas imagens têm Alt Text

Tendo em conta que os conteúdos visuais são extremamente importantes para todas as componentes do marketing, faria sentido que as quisesse utilizar nos emails também, certo?

Certo. Mas a visualização de imagens num email é um bocadinho mais complicado. Na maioria das vezes, as pessoas não têm a visualização de imagens activada, por isso terá de garantir que as suas imagens contêm um componente essencial: o Alt Text ou texto alternativo (substituto). O Alt Text é a alternativa textual que aparece quando as imagens não são visualizadas ou carregadas num email. Isto ganha especial relevância se as suas CTA's são imagens.

Cada programa de email marketing é diferente, por isso garanta que esta ferramenta é possível de incluir no que está a utilizar actualmente.

 

9. Não dificulte o cancelamento de subscrições

Isto parece quase contraproducente, mas é fundamental se quiser manter uma base de subscritores activos e interessados. Não utilize uma linguagem dissimulada tipo “Altere a sua relação connosco.” Não esconda o botão de cancelamento da subscrição numa imagem sem Alt Text. Além de manter a sua lista de subscritores saudável, ter um processo simples de cancelamento de subscritores ajudará à sua credibilidade e a manter os seus emails longe de serem marcados como SPAM.

 

10. Teste, teste, teste

Eu sei que acabei de listar 9 coisas que devia fazer para assegurar que está a fazer as suas newsletters bem, mas terá também de perceber o que funciona melhor para si. Tal como diferentes culturas preferem coisas diferentes, diferentes subscritores preferem coisas diferentes.

Por isso use esta lista de boas práticas como um ponto de partida e depois experimente para encontrar o seu ingrediente secreto.

 

Caso pretenda, aprofundar mais esta temática, oferecemos sem compromisso a possibilidade de avaliar o seu Marketing Digital atual, oferecendo dicas valiosas para potenciar mais resultados com a metodologia de Inbound Marketing.

Por favor, deixe as suas ideias e pensamentos sobre este post na secção COMMENTS em baixo!

Ivo-ferreira.jpg

Autor: Ivo Ferreira

Consultor e Copywriter da Link&Grow