10 Coisas que NÃO deve fazer no Facebook

10-coisas-a-nao-fazer-no-facebook.jpg

Hoje em dia são muitos os negócios que se aperceberam que precisam de estar presentes no Facebook. Procurar por uma empresa no Facebook e não encontrar, começa a assemelhar-se a procurar no Google e perceber que a empresa não tem website: é quase como se não existisse. Sim, é verdade.

Mas assim que a sua página esteja criada, perceber como se navega neste mar da presença eficaz, capaz de produzir resultados no Facebook é outra história. Quantas vezes publicar conteúdos? Com que frequência? As suas imagens têm qualidade? O que fazer quando aparece um ataque à sua marca pelos chamados “trolls”?

A maioria dos erros mais comuns que as empresas fazem no Facebook são perfeitamente evitáveis e podem ser prevenidos. Para ajudá-lo a evitar estes erros e a gerir a sua página tranquilamente, deixo-lhe aqui a lista dos erros mais comuns que as empresas cometem no Facebook. Eis o que não deve fazer:

 

1. Não crie um perfil em vez de uma página para o seu negócio

Isto parece básico, mas ficaria surpreendido pela quantidade de pessoas que comete este erro. Antes de chegarmos às dicas de grau mais avançado, vamos esclarecer uma coisa: Os perfis são para pessoas e as páginas para os negócios, ok? Há métricas de avaliação associadas para as páginas, o acesso aos anúncios, entre outros, concebidos precisamente para um negócio.

 

2. Não negligencie as publicações ou comentários na sua página

Se assume que a principal preocupação do seu negócio são as pessoas, então as redes socias devem ser uma extensão dessa visão. O objectivo do Facebook é a interacção com os seus clientes e prospects que lá estão presentes. Ao ignorar comentários é como se dissesse aos seus clientes: “Não queremos saber o que têm a dizer”.

Para evitar isto, comece por confirmar que está activada a opção de publicações do visitante nas definições da sua página. Enquanto algumas empresas permitem aos visitantes publicar e comentar sem qualquer revisão desses conteúdos, outras preferem revê-los manualmente, e algumas não permitem publicações de todo.

Apesar desta opção ser inteiramente sua, recomendo que trate a sua página como uma estrada de duas vias em vez de mais um canal para mostrar apenas aquilo que lhe interessa. Assim que o fizer, monitorize as publicações da sua audiência diariamente e trate-as convenientemente.

 

3. Não ignore os “mal-dispostos”

E se os clientes se queixam na página? E se são trolls - provocadores com o objectivo de destabilizar qualquer discussão?

Tenho uma novidade para si: não conseguirá impedir que as pessoas digam coisas acerca da sua marca, boas ou más. As opiniões existem sempre, quer queira ouvi-las ou não. O que poderá fazer no Facebook é responder respeitosamente e fornecer informação útil. Responder mostra às pessoas não só que está interessado na satisfação das suas dúvidas e necessidades, bem como de que está dedicado a ouvi-las. Isso, caro leitor, é fundamental.

 

4. Não deixe os meta-dados por defeito

Quando coloca um link numa nova publicação no Facebook, os meta-dados desse link (uma imagem e uma pequena descrição) aparecem automaticamente. Mas isso não significa que deverá automaticamente pressionar o botão “Publicar”. Em vez disso, acrescente alguma informação relevante como uma frase ou dado estatístico pertencente ao link que está a partilhar. Lembre-se que o Facebook é pesquisável pelos motores de busca e é do seu interesse adicionar palavras-chave relevantes para essa pesquisa.

E lembre-se também de remover o link da descrição da publicação. Fazer isto ajudará a reduzir o ruído nos motores de busca sem interferir no conteúdo da publicação.

 

5. Não coloque só um tipo de conteúdo

No passado recente, as imagens dominaram o Feed de Notícias. Mas as coisas mudaram e as imagens têm agora o pior desempenho no alcance orgânico de audiência entre todos os tipos de publicações. O vídeo é agora o melhor formato de publicação para obter alcance orgânico, especialmente os publicados aproveitando o formato alargado do Feed (403 x 226px).

Em vez de se limitar a um ou dois formatos de conteúdos, experimente um bocadinho. O Facebook é o local para deixar brilhar a personalidade da sua marca. Publique fotos da cultura da empresa, dos seus colaboradores e identifique-os nas imagens. Considere fazer sessões de perguntas e respostas com o seu público. Publique links com uma palavra na descrição e outros com uma descrição mais alargada. Procure e descubra aquilo que funciona melhor com a sua audiência e lembre-se que ela está sempre a mudar, por isso faça experiências regulares.

 

6. Não publique imagens de qualquer tamanho

Imagens “pixelizadas”, mal dimensionadas ou difíceis de ler frustram os utilizadores e dão-lhe má reputação.

O Facebook não tem dimensões específicas apenas para as fotos de capa e perfil. Disponibiliza também dimensões ideais para as imagens que coloca no feed de notícias, as que usa nos links patrocinados, anúncios laterais, entre outros. Para ajudá-lo a perceber tudo o que precisa nesta matéria, aqui fica um infográfico para ter sempre à mão.

 

7. Não publique “banha-da-cobra”

Quando publicar um link para uma página, o Facebook agora analisa quanto tempo as pessoas despendem nessa página para medir a sua utilidade. Qual a lição a tirar? Não conte histórias na descrição que nada têm a ver com o conteúdo dos links publicados. Tal como na política, as pessoas não gostam de promessas que não são cumpridas. A única diferença é que a penalização surge no momento e não só de 4 em 4 anos.

Seja claro, objectivo e consistente nas descrições que publica ligadas aos links que apresenta. Crie expectativas na sua audiência que pode satisfazer. Sempre.

 

8. Não publique em demasia, mas publique regularmente

Sim, deve publicar regularmente para manter a sua audiência interessada e mostrar-lhes que está presente, a ouvir e a responder às suas dúvidas e preocupações.

No entanto, o que não quererá fazer é inundar a sua audiência de toneladas de conteúdo que não poderão nem quererão ver. Fica a dica: pouco e bom é o modelo a seguir.

 

9. Não se esqueça de experimentar os anúncios e as suas funcionalidades

Como resultado do declínio no alcance orgânico no Facebook, muitas empresas começam a utilizar os anúncios do Facebook para atingir uma maior e mais qualificada audiência. Com o sistema de anúncios do Facebook é possível especificar o alcance para as pessoas que visitaram o seu website, usaram a sua aplicação ou subscreveram o seu blog ou newsletter. E poderá também alcançar audiências parecidas com a que já tem por gostos semelhantes em campanhas para obter Likes na sua página.

Por isso, seja inteligente e vá experimentando a ferramenta para descobrir o que funciona melhor no seu caso.

 

10. Não crie múltiplas contas no Facebook

Este conselho aplica-se às suas actividades pessoais e profissionais no Facebook.

No campo pessoal, há uma razão importante para não ter mais do que uma conta – é contra os Termos de Serviço do Facebook. Se perceberem que possui duas contas, vão cancelar as duas.

No campo profissional, não existem essas restrições por parte do Facebook. Pode criar várias páginas para o seu negócio sem que a plataforma note sequer. Mas deve fazê-lo?

Para a esmagadora maioria dos negócios, não o recomendamos. Uma página exige muito tempo para ser eficientemente gerida, porquê subdividir o seu foco só para manter várias páginas?

Além disso, o Facebook permite direcionar as publicações da página para públicos específicos. Por isso, em vez de criar uma página para um segmento específico da sua audiência, poderá facilmente publicar conteúdo específico para essa audiência, somente mostrada a essa audiência e tudo a partir de apenas uma página.

Resumindo: Mantenha tudo muito simples. Muito e bem, há pouco quem.

Conheça o nosso mais recente e-book: 

O Futuro das Redes Sociais: Esqueça os Perfis e Foque-se nas Pessoas
EBOOK grátis

Por favor, deixe as suas ideias e pensamentos sobre este post na secção COMMENTS em baixo!

ivo-ferreira.jpg

Autor: IVO FERREIRA

Consultor e Copywriter da Link&Grow